Você sabe o que é síndrome metabólica?

Saúde e Bem-estar

Publicado em 04/05/2018
Por Mayara Poscidônio

 

A síndrome metabólica é um conjunto de fatores de risco para doenças cardiovasculares e diabetes. Ela está presente na vida de inúmeras pessoas por causas genéticas, obesidade, sedentarismo e outros fatores. O que leva à resistência à insulina, ou seja, o hormônio não consegue trabalhar de forma eficiente, causando o acúmulo de glicose, “açúcar”, no sangue.

Os fatores de risco foram classificados em 2001 pelo National Cholesterol Education Program’s Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). Entre eles estão: a intolerância à glicose, ou seja, glicose de jejum aumentada (maior ou igual a 110mg/dl); obesidade visceral, depósito de gordura na região abdominal com circunferência maior que 102cm para homens e maior que 88cm para mulheres; hipertensão arterial sistêmica (maior ou igual a 130/85 mmHg); hipertrigliceridemia (maior ou igual a 150mg/dl) e os níveis baixos de HDL-c (lipoproteína de alta densidade) menor que 40mg/dl em homens e menor que 50mg/dl em mulheres.

O tratamento consiste em atuar diretamente sobre a resistência à insulina. Mudando os hábitos alimentares, combatendo o sedentarismo e usando medicamentos prescritos pelo médico.

Existem alimentos que atuam para melhorar nossa absorção de glicose, na diminuição da hipertensão e para os triacilgliceróis. O melhor exemplo é o consumo de frutas, verduras e leguminosas, pois são ricos em fibras. A perda de peso também é alvo da terapia. O paciente deve seguir um plano alimentar individualizado, prescrito por nutricionista, com restrição calórica adequada ao estilo de vida, faixa etária e sexo, para lhe ajudar da melhor maneira possível a abaixar os fatores de risco sem resultar em danos à saúde.

A prática de atividade física orientada pelo profissional qualificado (saiba mais na coluna de Bruno Paulino) também é de extrema importância. Atua na melhora da circulação sanguínea, metabolização da glicose, colesterol e na perda de peso, além de contribuir para o aumento da HDL-c.

Se você não possui nenhum dos fatores de risco, o mais importante é se prevenir. Mantenha uma alimentação saudável, pratique exercícios físicos, controle o peso e sempre faça exames de rotina.

 


Sobre o autor

Mayara Poscidônio

Colunista de Sáude & Bem-estar

Mayara E. Poscidônio de Souza é nutricionista formada - CRN9 18771/P - pela Universidade Federal de Lavras e pós-graduanda em Prescrição de Fitoterapicos e Suplementação Nutricional na Nutrição Clínica e Esportiva. Realiza atendimentos nas áreas de nutriç&atild ...

Ver Perfil

Veja também