Cidadãos, como querem ser cuidados? - HumanizaSUS

Jota Maria

Publicado em 18/05/2018
Por Jota Maria

Já pensou sobre o conceito de humanizar um serviço público? Talvez um pensamento utópico de que seria o melhor método para se ter em um ambiente de trabalho.

Antes vamos esclarecer o que é este conceito: Em termos diretos da palavra, humanização é a ação de tornar humano, benévolo, uma compaixão nas ações. Esse termo é utilizado em trabalhos que levam em consideração tornar o ambiente e serviço melhores para o ser humano, pelo seu bem, e bem de quem o faz.

Tratando-se da saúde, hospitais e seus atendimentos, o quão importante você pode pensar ser a humanização neste meio?

Sabe-se que a humanização neste setor da saúde já existe, sendo o modo como os trabalhadores e usuários na área de saúde interagem entre eles. Relação importante na efetivação e eficiência do serviço e o projeto HumanizaSUS abrange esse ideal. Mas qual os fundamentos do HumanizaSUS?

Lançado em 2003, o HumanizaSUS tem como objetivo melhorar o Sistema Único de Saúde, assim como também representa a Política Nacional de Humanização (PNH). Sua ideia foi trazer inovações, tais como:

valorizar as ações e os envolvidos nos serviços da saúde, desde trabalhadores até usuários;

aumento na corresponsabilidade na produção da saúde;

estabelecimento de vínculos solidários;

interação e responsabilidade com as demandas sociais;

e como principal, a luta por um SUS mais humano, construído com a participação de todos e comprometimento com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos e qualquer um.

Estas são, então, as inovações do HumanizaSUS. Mas sendo sincero, e levando em consideração este projeto iniciado em 2003, pergunto se já não deveria haver seus conceitos, naturalmente, na que se trata área da saúde, percebam que humanizar e comprometer-se com a saúde e o bem estar do próximo vem no princípio de nossa criação como filhos e filhas, e ter de criar um projeto para o incentivo do mesmo, com as chamadas inovações que isto traz, é de sentir tristeza pelo como nos tornamos em relação aos outros e a nós mesmos.

Aqui em Muzambinho, tomando conta sobre o que é o projeto HumanizaSUS e sobre o conceito de humanizar, infelizmente, ainda tenho de dizer que estamos atrasados! Não somente das metrópoles que já fortaleceram este projeto, mas, sobre a saúde e nosso hospital, estamos atrasados em relação a humanidade e ao ato de ser humano.

São casos de deslizes, fatais, aos cidadãos desta cidade que já aconteceram e pouco foram usados como experiências para corrigir os erros. Má estruturação ou falta de equipamentos, deixando a depender do tempo, pois é o tempo que vai decidir a vida de quem precisa, ao necessitar a transferência por falta de recursos, fica somente ao tempo decidir se a espera por assistência médica móvel será a esperança que um cidadão precisa, pois já são casos de plantões onde médicos não aparecem; casos de pacientes sem água por horas na espera de ser liberado quando, e se, o médico sobreaviso viesse, o qual não apareceu; casos de deslize por simples falta de acompanhante, ou averiguação responsável dos pacientes; casos de cirurgias que não passam pelo pós-cirúrgico, entre outros.

São casos de descasos, tudo com pacientes em se tratando de suas necessidades e urgências.

São homens e mulheres, cuidando de homens e mulheres. Meu desejo, nosso desejo, é que ainda possamos nos atualizar com o ato de ser humano, que nosso hospital e nosso sistema de saúde possa ter como básico principio a humanização, que deva vir antes de lucros, antes de necessidades pessoais, antes de irmandades entre pessoas de mesma área de serviço.

Queremos que nosso atendimento seja justo. Que direção, médicos(as), enfermeiros(as) e atendentes nos atendam da maneira como gostariam ser atendidos, e não somente isso, mas também da maneira como necessitariam se estivessem em nossas mãos não profissionais para serem atendidos.

Vos pergunto: Cidadãos, como querem ser cuidados?


Sobre o autor

Jota Maria

Colaborador em Política, Cidadania e Muzambinho

José Maria Dias, mais conhecido como Jota Maria, é jornalista e radialista há 25 anos na rádio Atividade FM.

Morador de Muzambinho, tem orgulho de ser pai de  um lindo casal. É formado em história, grande interessado nos estudos voltados à sociologia, e atualmente exerce seu seg ...

Ver Perfil

Veja também