Boca de Cena volta com “Fando e Lis”! – entrevista com Fábio Anderson

Com um cenário inovador, visto de cima para baixo, o espetáculo com cinco atores fala sobre a busca da felicidade

Publicado em 16/06/2018
Por Fábio Carvalho
Imagem anuncio desenhando muz

(fotos por Gaby Mariany)

Neste sábado, 16 de junho, o tradicional grupo de teatro Boca de Cena retorna com tudo para Muzambinho, após três anos, com o espetáculoFando e Lis, Happening da Felicidade. Inclusive, os ingressos para o primeiro dia da peça já estão esgotados!

Confira a entrevista exclusiva que o diretor e produtor da peça, o ator Fábio Anderson, concedeu para o Muzambinho Notícias.

MN- Há quanto tempo o Boca de Cena não se apresenta aqui em Muzambinho?

Fábio Anderson- Faz muito tempo, deve fazer uns três anos. Em 2015 apresentamos a peça chamada “Adultério”, do Wood Allen, uma peça ótima. Desde então, a gente não apresentou mais nada aqui em Muzambinho.

MN- Qual foi a inspiração para a peça Fando e Lis? 

Fábio Anderson- Esse trabalho é uma adaptação de um dos maiores autores do teatro mundial contemporâneo, um espanhol chamado Fernando Arrabal. A peça fala de coisas muito atuais, sobre a existência humana de qualquer lugar do mundo – o que chamamos de peça universal atemporal.

MN - Quantas pessoas estão envolvidas na produção do espetáculo?

Fábio Anderson- Muita gente. Eu queria dois atores em cena, então eu fui procurar o texto e aí encontrei o do Fernando, então fiquei apaixonado pela história com cinco personagens. Aí eu pensei: “não, eles vão se modificar e farão os três que faltam”. Mas depois pensei que não dava! Aí, de repente, foi passando o tempo e três anos depois reuni o elenco - um ator morando em Pouso Alegre, outro em Campinas e outro morando em São Paulo - enfim, cada um morando num canto não dava para reunir para fazer o espetáculo. Três anos atrás era um elenco, mas hoje é outro. Agora a gente conseguiu montar e marcamos a data, porque aí não tem como fugir. Agora temos uma peça de 5 atores, extremamente atual e com personagens completamente renovados nesses últimos três anos: O Fabio Ribeiro interpreta o Fando, Camila Fernandes faz a Lis, Tales Matias faz Mitaro, Thalison Melo faz o Namur e o Dudu Oliveira faz o Toso.

MN- Sobre o que é a temática dessa peça e qual é o gênero dela?

Fábio Anderson- É o que a gente chamaria tecnicamente de teatro do absurdo, que não traz uma narrativa com começo, meio e fim. Tudo muito bem explicado, tudo completamente fora do padrão. Não há necessidade de marcação do lugar, de ação de tempo ou espaço. Pode ser comédia, pode ser tragédia. Não interessa em que tempo se passa o teatro do absurdo, ele é assim!

A temática é a busca, a busca de estar feliz por estar bem e por ter achado o seu lugar no mundo. Isso não existe! Isso é uma utopia e os personagens Fando e Liz, personagens centrais, e os três outros - Mitaro,  Namur e o Toso - que são  homens do guarda-chuva, estão procurando uma cidade fictícia chamada Taar, só que eles estão andando em círculos por um deserto, acreditando que serão felizes quando chegarem no destino.

Todos nós, seres humanos, tamos procurando a felicidade completa. Repito, isso não existe! A vida não traz isso, então é muito marcante essa ideia da busca de um contentamento, porque quando você é um menino de 20 anos você acha que aos 30 você estará formado, estará trabalhando, estará realizado... Mas ao chegar aos 30, não é bem isso. Ainda tá faltando alguma coisa e aos 40 você pensa: quando eu tiver tal coisa... Então é isso. É algo que a gente está sempre ali procurando e não tá pronto nunca isso. É você buscando um caminho, uma realização. Na verdade a realização só vai acontecer quando se fechar a tampa do caixão porque aí você fala: “bom daqui não passa aqui é o último momento, a última chance que eu tinha”. Então, a peça é muito universal.

MN- Depois desse projeto já tem alguma peça em vista?

Fábio Anderson- Não. Nós temos recebido muitos convites para nos apresentarmos em Poços de Caldas, Pouso Alegre e outras cidades. Ontem recebi um convite apresentarmos em São Sebastião do Paraíso e em Cabo Verde. Porém, não temos tempo para nos apresentar em tantas cidades por enquanto.

MN- Eles querem que vocês apresentem esta peça?

Fábio Anderson- A gente quer fazer, mas esse ano eu acredito que não consigamos porque o ator principal, que é o Fábio Batista, vai se casar  e a maioria dos atores trabalha fora.

MN- E os planos para quando o Teatro Municipal for reativado aqui em Muzambinho, no final de 2018. Vocês acreditam que ainda vão se apresentar nele?

Fábio Anderson- Infelizmente, eu não faço ideia. A gente queria muito que essa peça viajasse, tivesse essa turnê. Nós ainda estamos pensando nisso, depois veremos o que é que nós vamos aprontar quando Teatro ficar pronto. Espero que fique pronto e que a gente não precise improvisar tanto. Mas o espaço desse evento é inovador, foi programado para ser assim, algo que foge do comum.

ADQUIRA JÁ SEU INGRESSO!

Dias: 16 (esgotado), 17, 23 e 24 de junho de 2018
Horário: 20h30min (duração total aproximada de 1h15min)
Local: Avenida Dr. Américo Luz, nº 516, em Muzambinho - próximo à Igreja Matriz.
Censura: 15 anos
Valor do ingresso: R$15,00 antecipado e R$30,00 na hora
Ponto de venda: Loja Salto & Cia

 


Fando e Lis

Fotos por Gaby Mariany


Sobre o autor

Fábio Carvalho

Dono e Editor Chefe do Muzambinho Notícias - Portal MUN

Fábio Carvalho estudou jornalismo na PUC-PR graças ao Prouni, de 2013 a 2017. É especialista em redes socias pela Academia do Marketing, técnico em informática e técnico em análise de credito e cobrança formado pelo IFSULDEMINAS - Campus Muza ...

Ver Perfil