Atividades Físicas e Esportivas e a promoção de saúde no SUS - Parte 1

por Wedson Guimarães Nascimento e Erik Vinicius Dopp

Publicado em 26/06/2018
Por Wedson Guimarães Nascimento e Erik Vinicius Dopp

 

O Professor de Educação Física passa a compor a equipe da Atenção Básica à Saúde (ABS) brasileira em 2008 com a criação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF), no entanto, desde 2005 já se previam ações na área da saúde pública relacionadas à promoção das Atividades Físicas e Esportivas (AFE’s) para a população, logo, isso significa que não só o profissional de educação física, mas todos os profissionais da Atenção Básica podem pensar e promover ações dessa natureza tendo em vista os benefícios para os envolvidos.

Foi partindo desse pressuposto que nos dias 07 e 08 de junho foi ministrado no 5º Congresso de Educação Física do IFSULDEMINAS, Campus Muzambinho, o minicurso intitulado, “Práticas educativas no contexto do SUS - as relações entre a atividade física e promoção de saúde”. Com a participação de algumas das profissionais de saúde do município, entre elas, Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) e membros do NASF, além de estudantes de graduação da instituição e congressistas visitantes, o objetivo foi discutir a forma que as AFE’s vêm sendo pensadas e promovidas pelas equipes de Saúde, além de contribuir com possíveis formas de promoção dessas práticas sem desconsiderar as particularidades do sistema.

A partir da caracterização do Sistema Único de Saúde (SUS), tendo em vista as políticas e estratégias que o complementam, reconhecemos sua complexidade. Sua principal estratégia de atenção à saúde se dá na Atenção Básica, modelo que se desenvolveu a partir da apropriação dos discursos internacionais sobre Atenção Primária à Saúde e a relação com seus princípios e diretrizes. Identificamos que atualmente temos uma proposta de atenção à saúde que visa superar a fragmentação, que propõe um trabalho em rede, de forma cooperativa e interdependente, o qual supera a visão tradicional piramidal que separa a atenção básica da média e da alta complexidade.

Essas características, por sua vez, tem relação com o modelo de educação em saúde adotado pelas equipes da ABS, sendo possível uma ação mais tradicional e/ou dialógica. Historicamente, as ações de educação em saúde tendem a se manifestar de maneira normativa e prescritiva, onde a população é submetida aos saberes técnicos científicos dos profissionais que não levam em consideração suas reais necessidades, o foco da ação é na doença. O saber do profissional sempre vai prevalecer, independentemente dos interesses e da cultura local. Já uma proposta de educação em saúde dialógica preza pela relação direta com os sujeitos e comunidades. Sem deixar de se preocupar com a doença, planeja suas estratégias em diálogo com a comunidade e valoriza a cultura e os saberes da população. 

Proposta que se aproxima das orientações da ABS que tem a territorialização e a integralidade como suas principais características, além de contribuir com a participação comunitária, um dos princípios organizativos do SUS. Da mesma forma, no que se diz respeito às ações desenvolvidas na promoção das AFE’s, acreditamos que a mediação do conhecimento entre profissionais e população, tendo em vista a elaboração de estratégias, orientações de como se envolver, opções de práticas e tipos de
benefícios para a saúde tem relações diretas com a adoção de um ou de outro modelo, mesmo que isso aconteça de forma inconsciente. Portanto, refletir sobre a prática educativa do profissional de saúde na promoção das AFE’s no contexto do SUS e da ABS tendem a trazer contribuições para nós, profissionais da saúde e, consequentemente, para a população. 

Por fim, não deixamos de ressaltar as ações do atual governo, desde a Emenda Constitucional 95, contra SUS. Enfatizamos que o desmantelamento do nosso sistema de saúde coloca em cheque todos os avanços até então alcançados, ignora os princípios e diretrizes do sistema, as características da Atenção Básica à Saúde e, principalmente, o art. 196 da constituição federal, que deixa explícito que “a saúde é direito de todos e dever do Estado”. 

No mais, agradecemos a organização do 5º congresso de Educação Física do IFSULDEMINAS - Campus Muzambinho pela oportunidade, em especial aos estudantes e as profissionais de saúde do município que participaram e contribuíram com suas falas, nos aproximando de sua realidade e tornando o minicurso um espaço de compartilhamento de experiências.


Veja também