Alunos do IFSULDEMINAS-Campus Muzambinho são selecionados para participarem do Parlamento Jovem Bras

Os estudantes do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio são dois dos três representantes do sul de Minas no programa

Publicado em 23/09/2018
Por IF Sul de Minas

Os estudantes Alysson Brenner Nogueira Pereira, 18, e Gabriel Willian Duarte Constantino, 16, estão entre os oito jovens que vão representar Minas Gerais na edição deste ano do Parlamento Jovem Brasileiro. Os alunos do 3º e 2º anos do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, do IFSULDEMINAS- Campus Muzambinho, são dois dos três representantes do sul de Minas no programa.

O programa é promovido pelo congresso brasileiro desde 2004 e já teve a participação de mais de mil jovens de todo o país. Entre os dias 1º e 05 de outubro, 78 adolescentes viverão a rotina de um parlamentar e conhecerão os procedimentos para a elaboração de projetos de lei.

Para participar do programa cada candidato teve de apresentar um projeto de lei. Alysson escolheu como tema a educação. “O meu projeto de lei foi a obrigatoriedade de cada escola Brasileira realizar olimpíadas científicas, sendo duas para ensino fundamental e três para ensino médio. Na minha cidade não tinha muita olimpíada, só a OBMEP. Eu só conhecia a OBMEP, mas eu não sabia que tinha olimpíada de história e geografia, por exemplo. Quando vim para o IFSULDEMINAS, os meus colegas tinham muito mais conhecimento sobre essas olimpíadas”, lembra o estudante, que é natural de Campestre (MG).

Já Gabriel, que está no segundo ano do curso técnico abordou a inclusão social nas escolas. “Primeiramente eu comparei o ensino que tenho aqui com outras pessoas que estão no ensino médio, em outras escolas, e pude perceber que o IF abrange muito mais a inclusão social que outras escolas de ensino médio. O meu projeto discute a participação de pessoas com deficiência no ensino médio e fundamental. E é muito mais fácil uma pessoa com deficiência ficar no IF do que em outras escolas. Tive professores orientadores como o Renê Dias”, afirma o jovem, que foi o quarto colocado na seleção de Minas Gerais.

Esta foi a primeira vez que os estudantes inscreveram-se na seleção do Parlamento Jovem Brasileiro e não escondem a expectativa em participar do programa. “Vamos ficar uma semana em Brasília trabalhando como um mini deputado. Cada um vai fazer um projeto de lei, um projeto de emenda à constituição e a gente vai debater, votar e relatar. Cada participante tem o projeto que inscreveu e tem o projeto que ele vai relatar”, explica Alysson. Para Gabriel, a oportunidade é única. “Desde que eu conheci o parlamento jovem brasileiro todo mundo falou que era muito difícil passar no segundo ano, mas minha mentora, que é de Guaxupé (MG), disse que eu tinha muitas chances de passar. Saiu o resultado da seleção final e meu nome estava lá. Eu não esperava que eu seria selecionado de primeira. O projeto que fiz não foi nem a primeira ideia que tive quando li o edital. Eu fiz o parlamento esse ano para ver como funcionava, como treineiro, por causa das dicas que as pessoas me davam, por causa dos critérios de idade. Daí eu passei.”

Interesse político

O interesse de Gabriel e Alysson pela política é reflexo de fenômeno que vem crescendo no Brasil. Segundo pesquisa Datafolha divulgada em agosto deste ano, o número de jovens com idades entre 16 e 25, que disputariam cargos políticos, é de 29%. Maior índice entre todas as faixas etárias.

“Eu tenho muita vontade de fazer história e acho que está ali, na mesma área (da política). Mas eu gostaria de ser político. Fazer uma faculdade primeiro, me graduar, trabalhar um pouco com pesquisa e depois ser político”, revela Alysson.

Com 16 anos, Gabriel também pensa em como poderia ajudar a sociedade atuando na política. “Dentro dos meus planos para o futuro, há sim muita chance de eu seguir essa área social”, e completa: “A constitutição Brasileira completa 30 anos neste mês. Eu a li para fazer o meu projeto e vi que não só a política, a sociedade, tudo isso, envolve para gente o que é ser cidadão, que é de extrema importância para nossa formação tanto acadêmica quanto pessoal.”

TEXTO e FOTO: Carol Negrão